Maserati GranTurismo V6: toda a informação

Após a revelação do GranTurismo Folgore eléctrico, Maserati finalmente apresenta as primeiras imagens não contaminadas do novo Motor a gasolina Maserati GranTurismo.

ATUALIZAÇÃO: acrescentou as características do carro.

O novo Maserati GranTurismo a gasolina será oferecido em duas versões: Modena (aqui ilustrado) e Trofeo (abaixo na galeria), sem esquecer a versão eléctrica Maserati GranTurismo Folgore..

Espera-se que a versão Trofeo ofereça um kit de corpo mais musculado, semelhante ao MC Stradale da era V8.

O desenho é em grande parte um GranTurismo Maserati nas suas proporções e é, portanto, fiel ao antigo. A novidade vem das luzes da frente na linha do MC20 e da Grecale. A traseira faz lembrar um primo Alfa Romeo Giulia (se olharmos de perto, afinal é a mesma plataforma Giorgio).

A bordo deste novo Maserati GranTurismo, adeus ao 4.7L V8 da geração anterior e olá ao 3.0L V6 emprestado ao Maserati MC20, cuja potência estará entre 500 e 600 cv. Para informação, o Maserati Grecale Trofeo, com o mesmo motor, oferece 530 hp. E dado o tamanho da tampa do motor, deve sobrar muito espaço!

Preços e características do Maserati GranTurismo V6

O novo Maserati GranTurismo tem 4,96 metros de comprimento, 1,96 metros de largura e 1,35 metros de altura.

De momento, os preços oficiais não foram apresentados, mas os rumores falam de um preço de 175 000 euros... a ser confirmado!

Maserati GranTurismo ModenatiMaserati GranTurismo TrofeoMaserati GranTurismo Folgore
Motor3.0L V6 Nettuno3.0L V6 NettunoMaserati Folgore
Energia490 hp550 hp760 hp
Casal600 Nm650 Nm1350 Nm
Peso1795 kg1795 kg2260 kg
0 a 100 km/h3.9 seg3,5 seg2.7 seg
0 a 200 km/h13 seg11.4 seg8.8 seg
Velocidade máxima302 km/h320 km/h320 km/h
Prémios???

O motor híbrido de 4 cilindros encontrado na Grecale, Levante e Ghibli não está no programa... provavelmente não é suficientemente potente para as 1,8 toneladas do carro.

Maserati GranTurismo V6 contra o concurso

Motor0 a 100 km/hVelocidade máxima PesoPrémios
Maserati GranTurismo ModenatiV6 490 hp 600 Nm3.9 seg302 km/h1795 kg?
Maserati GranTurismo TrofeoV6 550 hp 650 Nm3,5 seg320 km/h1795 kg?
Aston Martin DB11V8 535 hp 675 Nm4 seg.309 km/h1760 kg200 000 €

Galeria de imagens do Maserati Granturismo

O artigo será actualizado assim que tivermos mais informações.

10 Comentários

Deixe uma resposta
  1. Muito bem sucedido, bravo o tridente.
    Vejo que a plataforma Gorgio é de primeira linha. Encontra-se no novo Maseratis.
    É uma pena que desapareça da Alfa, a sua desenhadora.
    É também curioso que a Alfa não ofereça o híbrido L4 de 330 hp da Giulia.

      • Não é um desperdício, mas inconsistente como habitualmente. Lançam um produto ultra-completo e nunca o fazem evoluir.
        Porque por uma vez com o Stelvio e o Giulia ou o 4C acertaram, mas como de costume, uma vez no mercado passam para outra coisa como o 124, o Fulvia que saiu pela janela, o Duetto e o mini SuperCar de Abarth para não mencionar o novo GTV baseado no Giulia. E não estou a falar do facto de que o GTA e o GTAm foram libertados demasiado cedo (e aparentemente sem GTAC à vista).
        Em suma, incoerência em todo o seu esplendor.
        Não implementar o híbrido no Giulia no cilindro de 4 cilindros, tal como mencionado acima, foi um enorme erro, tal como não estava a fazer um carro da propriedade.

          • Foi antes Marchionne que salvou Alfa com este tipo de produtos, mas os seus substitutos não fizeram evoluir os produtos, especialmente porque o grupo Chrysler (à excepção da Chrysler) não precisava de ajuda para evoluir no seu canto (outra cultura automóvel que não a Europa).
            Investir no Tonale e num SUV mais pequeno teria sido, na minha opinião, menos urgente do que actualizar o Giulia e o Stelvio em profundidade e lançar um modelo acima baseado na futura substituição do Levante, ou mesmo um coupé 2+2 baseado no novo coupé Granturismo.
            Alfa nunca foi uma marca de volume (melhor qualidade e rentabilidade em pequenos volumes do que a produção em massa com todos os problemas que lhe estão associados), não está no seu ADN básico.
            Há Citroën, Fiat, Peugeot e Opel para isso.

  2. Nenhuma marchionne matou alfa, ao parar as cordilheiras, 159, Brera, por ser incapaz de as fazer evoluir suavemente sem criar uma ruptura.
    Incapaz de organizar e estruturar uma rede que clamava por falta de novidade, por escolhas estúpidas de racionalização.
    Apenas um exemplo, colocar um tejadilho de vidro de 70k em todos os automóveis Brera !!!! Mesmo que o cliente não queira um telhado panorâmico! Isto transformaria este cupê numa "bigorna". Uma escolha de gestão que mata um modelo que se espera que seja um Alfa: ágil! Resultado, o carro é desclassificado na sua saída!

    • Ela foi abatida à saída por várias razões justificadas.
      Não só isso, mas para além do 1,75, a família 159 e Brera não tinha nenhum motor que valesse uma porcaria. Este tipo de motor num Lancia ok, mas um Alfa é imperdoável. É um ENCLUME, quando se vê o peso do corpo digno de um Tanque, é outra catástrofe imperdoável. O manuseamento não é o melhor e o prazer de condução não é bom e é um carro de tracção às 4 rodas. Em suma, é um erro da Marchionne não ter mantido o projecto original para fazer uma família Thema desde o início. Quando se olha para o Brera, comparado com o conceito (pude cavalgar nele na altura), o desenho não é tão bonito e há um perfil estranho (não grande), para não mencionar a suspensão traseira totalmente inútil e o descapotável que tem uma rigidez e manuseamento não digno do seu predecessor.
      Já a família 156/166, para além do facto de ter 2 bons motores, porque para o resto não era um bom carro, era um carro de tracção e os acabamentos e as montagens entraram rapidamente num tailspin como na 155/164 ou na era do Estado italiano que destruiu totalmente a Alfa com os seus problemas políticos, económicos, sociais e mafiosos (um Estado não é feito para segurar as rédeas de um fabricante de automóveis).
      Em suma, entre os 75 e os Giulia, para além da perda do Busso, que teria merecido um carro desportivo como o Diva para lhe prestar homenagem, não há nada para se levantar à noite.
      Em resumo, o melhor testamento de Marchionne é o Giulia, o Stelvio, o 4C e o 124 Abarth. O seu único erro é não ter continuado no seu caminho e não ter acreditado em Lancia, acabando por massacrá-la após o desastre dos seus antecessores, enquanto que teria feito melhor em criar um Thema no chassis do Giulia numa versão mais luxuosa com 4 cilindros e o Ferrari V6 visto no Ghibli, bem como uma Tese no chassis do Ghibli.
      Quando vemos o que nos espera com os futuros carros Alfa, muitos de nós pensam que ou voltamos à competição ou ficamos com a Giulia o máximo de tempo possível.

      • Quanto ao Brera, tenho um, adoro-o, acho que é um dos mais belos carros de grande produção. Com uma certa exclusividade, especialmente na versão que eu possuo (Italia Independente série limitada). Quantas pessoas me perguntam, se este é um carro novo 😂😂😂.
        Pelo seu V6, tenho um, e também o adoro, surpreende a muitos, nesta versão de 2010. E sim, encontre-me um teste de imprensa da versão V6 Q2 de 2010, ninguém o experimentou. O departamento de comunicação e imprensa da Alfa tem sido sempre uma porcaria.
        Um par de Supersprings na parte traseira, colectores de escape Autodelta que removem 2 dos 4 catalisadores que foram originalmente instalados (e que também teriam abafado o Busso....), e este motor é o que deveria ter sido! É bastante engraçado ler os artigos actuais sobre este Brera que se pode ler, "V6 afinal não é assim tão mau". Bem, não no Sport Auto, isso é certo!
        Assim, para a bigorna, recorri às últimas versões do Q2, que são consideravelmente mais leves do que as da fase 1, apesar do estúpido telhado de vidro ainda presente!
        Quanto ao manuseamento, é um dos únicos pontos em que todos concordam, está colado à estrada! E divertido, um carro de tracção pode ser divertido de conduzir, porque é preciso ir e agarrar no limite.
        Pela capacidade, é um coupé, é um pouco como censurar um Fiat 500, por ser pequeno. Fomos à Toscana, fomos esquiar com as nossas duas crianças de 1,70 (na altura). Eles ainda estão vivos, e não vão ao psiquiatra.
        A guiléia tem, de facto, assinalado muitos pontos positivos, mas os 4 cilindros são ridículos. Quando saí da Giulia para voltar ao volante do meu Brera, a escolha era óbvia para mim, guardo o Brera, com a sua v6 e caixa de velocidades manual! Os Giulias são aborrecidos com 4 cilindros e caixas de velocidades para pessoas "preguiçosas". É eficiente, claro, mas não há nada a fazer neste tipo de carro, excepto deixá-lo conduzir.
        Só conduzi carros a gasolina, 145, 156 Sw, Mito Qv. Todos eles me deram prazer, e apenas boas recordações!
        Marchionne tinha tudo para ter sucesso. Alfa, os 156, os 147 tinham restaurado a imagem de alfa. Ele matou o alfa. Apenas um financiador que optimizou a rentabilidade imediata e a curto prazo de uma empresa. Os carros estavam lá, nada o impediu de desenvolver os carros de acordo com o modelo alemão, por pequenos toques e pela optimização das bases existentes, com trabalho numa verdadeira rede! O enorme investimento na plataforma giorgio foi estúpido, e o estado actual da gama mostra-o. Nem um centavo para mais nada, nem mesmo um Sw! E agora, a marca é para mim, terminada com esta loucura eléctrica. Ao ver o lançamento da mais recente pequena carrinha e o feedback da imprensa, a nova vai seguir o mesmo caminho que todas as novidades alfa: a parte de trás da prateleira.

        • Isto mostra que podemos ter um ponto de vista diferente.
          Onde concordo consigo é nas versões de 4 cilindros do Giulia que são bastante adaptadas a um carro como o Thema (torque instantâneo e baixas rotações).... Como os 159 e os Brera que nem mesmo a GM queria assumir e foi para outra plataforma.
          Quando Marchionne chegou, os cofres estavam longe de estar cheios e o grupo estava a sair de uma crise sem precedentes (ao ponto de vender as suas jóias de família, não o esqueçamos) e foi a divisão agrícola que forneceu parcialmente os cofres na altura. Agnelli não sabia se devia vender as suas acções à GM (felizmente, não resultou).
          As 156 157 e GT venderam bem mas a massa não significa lucro e nunca houve qualquer evolução técnica, excepto no vagão cruzado e ainda apenas no diesel). Ter experimentado o Brera quando se sai de um Busso, a pílula não passa e não lhe dá o desejo. Este cupé poderia ter sido chamado Lancia Gamma, que teria sido mais coerente. Além disso, na altura Marchionne disse que o Busso não podia evoluir devido às limalhas de ferro encontradas no óleo do bloco no 3.2, enquanto que o Gillet com o Vertigo provou o contrário com uma versão 3.6 de 360hp e 3.8 de 420hp alguns meses mais tarde (em resumo, Marchionne parecia um idiota aos olhos de Alfisti). Penso que sob Lancia (como foi originalmente planeado) a gama 159 e Brera poderia ter evoluído ao longo do tempo (uma versão transversal também, por exemplo), mais clientes se teriam inscrito. Teriam feito melhor, para a Alfa, em começar com a mais recente evolução e desenvolvimento (propulsão 4WD do vagão transversal) da plataforma Tipo para fazer um novo 156 e depois preparar o Giulia (que foi cogitado para um tempo de looong)
          O Giulia não tem caixa de velocidades manual porque os clientes não compraram uma e isso é uma pena e não foi a falta de dinheiro que impediu a versão SW... foi a sua estupidez (mais uma vez um erro da Marchionne).

    • O problema da rede catastrófica na FCA não data da era Marchionne mas muito antes dela, quando a Fiat se tornou o líder europeu, mas não sabia como desenvolver a sua rede porque adormeceu sobre os seus louros e não tinha as pessoas competentes para gerir a Lancia que foi atirada ao colo à força (como Citroën com Peugeot), num estado deplorável e completamente desossada e era o mesmo para a Alfa
      Foi na era Marchionne que nasceu o 159 e não se pode culpar o Fiat por ter de recuperar todos os erros que a Fiat cometeu antes dele, é demasiado fácil.
      Para voltar ao ponto onde a Alfa precisa de estar, isto não é feito numa série de carros, mas ao longo de várias décadas, na maioria dos casos.
      Não vale a pena tentar fazer da Alfa uma marca de mercado de massas, porque, tal como a Maserati e a Ferrari e a Lancia, não vejo qual é o objectivo.
      Se as pessoas quiserem uma tracção de coupé, podem ir a um generalista, essa é a sua função.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.