Projecto Maserati24: o verdadeiro MC20?

Quase 2 anos após a MC20, Maserati acaba de ser revelado um novo carro de pista: o Projecto24.

Isto Projecto Maserati24desenvolvido com discrição em Itália, é um carro reservado para a pista, com base num Maserati MC20.

Em comparação com o MC20, este Projecto24 é 200 kg mais leve e 100 hp mais potente. Ou seja 1250 kg para 740 hp.

Aumento de peso é conseguido através de um corpo totalmente novo em fibra de carbono com componentes específicos em fibra natural, um monocoque central em fibra de carbono ultra-leve, vidros dianteiros e laterais Lexan, rodas de alumínio forjado personalizadas 18″ e também o único banco do condutor montado.

Para o poderO motor Nettuno V6 está equipado com novos turboalimentadores para aumentar a potência para 740 cv. Tem sido feito um trabalho significativo no sistema de arrefecimento. A transmissão foi alterada de uma caixa automática de 8 velocidades para uma caixa sequencial de 6 velocidades.

E quando se olha para ele, já não se parece realmente com um MC20. Desenhado pelo Centro Stile Maserati, o Projecto24 tem um aspecto completamente novo.

Este Projecto Maserati24 será produzido em apenas 62 unidades. Não é legal, este Projecto24 só será utilizado para visitas guiadas. O preço? Pouco mais de 900.000 euros.

No final, quando se sabe que o nome do MC20 é uma homenagem ao MC12, que era um supercarro, produzido em cerca de cinquenta exemplos e concebido para participar no campeonato FIA GT, pensa-se que o Maserati MC20 poderia ter sido chamado Maserati Bora e este Projecto Maserati24, MC20.

Em suma, mal podemos esperar para ver um na estrada!

9 Comentários

Deixe uma resposta
  1. Esta parte é um elemento vital para o Maserati.
    A única coisa que falta fazer é fazer um Chez Alfa mais pequeno.
    Ah, se ao menos Stellantis pudesse livrar-se da DS, migrar todos os seus produtos para Citroën e deixar Citroën, Chrysler, Jeep e Lancia, Maserati numa aliança Luxo-desportiva. Deixar a Alfa, Abarth (incluindo toda a família 500) e Dodge Ram numa aliança de Pure Sport e deixar que esta última trate dos motores do grupo. A Fiat, a Peugeot e a Opel só teriam de partilhar a sua plataforma entre elas e cada aliança também, para que tivéssemos uma tábua limpa e uma organização sólida.
    Fiat

    • Tenho uma boa sensação de que o restyled MC20 eléctrico será mais arredondado com enormes faróis, mostradores redondos no painel de instrumentos (porque não "martelado") e badged Alfa Romeo, o que lhe permitiria ser um pouco mais espaçoso ao mesmo tempo que seria (ligeiramente) menos exclusivo. Encaixa bem com o grande posicionamento turístico da marca. Stellantis não se vai livrar da DS, cabe às marcas italianas conceber carros melhores, mais bonitos ou mais bem pensados. A propósito, ainda estamos à espera do Centoventi/Panda...

  2. A exclusividade é o que faz a riqueza de uma marca e querer mergulhar novamente a Alfa em volume é negar o seu ADN porque na altura do Estado italiano que queria rebaixar a Alfa, foi um desastre pelo qual a Fiat gastou o seu tempo a pagar 💰 o preço (como para Lancia e Ferrari), muito antes da aquisição das suas 3 marcas!
    A FCA pôs a Alfa de volta no bom caminho, por isso se for para Stellantis voltar, não vejo clientes Giulia ou Stelvio a inscreverem-se novamente para uma "TRACÇÃO ELÉCTRICA" e a irem directamente para a competição ou a permanecerem o máximo de tempo possível nos seus 2 modelos.
    O Coventi está programado para 2024 e isso não mudou, mas foi mesmo confirmado, o erro é que o nome Panda 🐼 está no bloco de corte (um pesadelo) para lhe chamar Punto (lixo).
    Os clientes que procuram um programa desportivo como o da Ferrari, McLaren, Maserati, Pagani ou outros, não querem saber de ter um programa desportivo "eléctrico" e inscrevem-se sem qualquer problema para um 33 com uma base MC20 mais pequena, sim, sem preocupações, mas com um "programa desportivo THERMAL ou Híbrido na veia da Ferrari".
    Para transportar este tipo de clientes diariamente, estão muito ligados aos motores de combustão e estão à espera de ver que novos combustíveis são desenvolvidos, e com razão.

    • Os clientes desportivos farão o que a marca exige, dentro das suas possibilidades, e a nova norma Euro tornou impossível a limpeza da poluição dos modelos de combustão. Portanto, não importa, eles adaptar-se-ão e não terão sequer a escolha, uma vez que os outros fabricantes farão o mesmo. O importante será não exceder um limite de peso (cerca de 1,5, 1,6 toneladas) com baterias semi-sólidas na pior das hipóteses para preservar uma autonomia correcta e um grande moinho de pelo menos 500 cavalos de potência, em tracção traseira com uma direcção consistente, uma boa posição de condução e uma travagem mordaz. Se os fundamentos forem respeitados, deve ser bem sucedido, especialmente porque não há muito no caminho da concorrência.

      • Parece não compreender que não são as marcas que escolhem mas sim os clientes, especialmente para um programa desportivo.
        O clube de bilionários e milionários não quer saber e é por isso que o Maserati quer lançar um programa das Termas e, além disso, serão protegidos pela emenda Ferrari.
        Este tipo de séries ultra-limitadas não tem as mesmas restrições que o mercado de massas, porque apenas atinge uma pequena parte da população e todas as marcas o compreenderam, razão pela qual cada vez mais se estão a lançar nos biocombustíveis.

  3. A exclusividade é o que faz a riqueza de uma marca e querer mergulhar novamente a Alfa em volume é negar o seu ADN porque na altura do Estado italiano que queria rebaixar a Alfa, foi um desastre pelo qual a Fiat gastou o seu tempo a pagar 💰 o preço (como para Lancia e Ferrari), muito antes da aquisição das suas 3 marcas!
    A FCA pôs a Alfa de volta no bom caminho, por isso se for para Stellantis voltar, não vejo clientes Giulia ou Stelvio a inscreverem-se novamente para uma "TRACÇÃO ELÉCTRICA" e a irem directamente para a competição ou a permanecerem o máximo de tempo possível nos seus 2 modelos.
    O Coventi está programado para 2024 e isso não mudou, mas foi mesmo confirmado, o erro é que o nome Panda 🐼 está no bloco de corte (um pesadelo) para lhe chamar Punto (lixo).
    Os clientes que procuram um programa desportivo como o da Ferrari, McLaren, Maserati, Pagani ou outros, não querem saber de ter um programa desportivo "eléctrico" e inscrevem-se sem qualquer problema para um 33 com uma base MC20 mais pequena, sim, sem preocupações, mas com um "programa desportivo THERMAL ou Híbrido na veia da Ferrari".
    Para transportar este tipo de clientes diariamente, estão muito ligados aos motores de combustão e estão à espera de ver que novos combustíveis são desenvolvidos, e com razão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.