Alfa Romeo Tonale PHEV (híbrido plug-in): toda a informação

Artigo actualizado em 17 de Novembro de 2022

O SUV compacto Alfa Romeo Tonale em breve estará disponível com o seu motor híbrido plug-in, uma novidade para a marca italiana Alfa Romeo. O Alfa Romeo Tonale PHEV foi revelado a 17 de Novembro de 2020Aqui está a informação sobre o assunto.

Fonte: Alfa Romeo
Fonte: Alfa Romeo

Embora tenha ultrapassado os 20.000 encomendas para este ano 2022Tonale ainda tem uma carta para jogar um motor há muito esperado: o híbrido plug-in. Este tipo de motorização combina um motor de combustão interna com um ou mais motores eléctricos.

As vantagens deste motor híbrido plug-in: a possibilidade de condução totalmente eléctrica, a potência combinada dos motores de combustão e eléctricos, e as menores emissões de CO2. A desvantagem deste tipo de motorização é que se a bateria não for carregada, a energia repousará apenas no motor de combustão, e o peso da bateria tem um impacto no comportamento do carro.

Quando se sabe isto e se sabe queum Alfa Romeo deve oferecer prazer de condução ao seu motorista, compreendemos o trabalho que os engenheiros italianos tiveram de fazer para alcançar este objectivo.

Voltando ao híbrido plug-in Alfa Romeo Tonale, o director da Alfa Romeo Jean-Philippe Imparato revelou a data de apresentação da sua conta no twitter: será em 17 de Novembro de 2022.

E no entanto, já existe muita informação sobre o Tonale Plug-in Hybrid.

Alfa Romeo Tonale PHEV: o que sabemos

Antes de mais nada, chama-se Alfa Romeo Tonale Q4. De facto, o motor de combustão na frente combinado com o motor eléctrico na traseira permite que o modelo tenha tracção às quatro rodas, ao contrário da versão MHEV que é tracção às quatro rodas.

Depois, o motor a gasolina será um turbo de 1,3L de 180 cv combinado com um motor eléctrico de 90 KW, ou seja, 120 cv. A potência total será 280 cvb (sim 180 + 120 não é 280 que conhecemos). Está acoplada a uma caixa automática de 6 velocidades. Alfa Romeo promete uma condução segura, confortável e divertida na estrada.

A bateria terá uma capacidade de 15,5 kWh, o que acrescenta 125 kg ao peso total do carro de 1835 kg. Uma carga completa da bateria demora menos de 2,5 horas quando se utiliza o carregador de bordo de 7,4 kW.

Em termos de desempenho, o carro irá acelerar de 0 a 100 km/h em 6,2 segundos. A velocidade máxima será 206 km/h no modo híbrido e 135 km/h no modo eléctrico. A título de comparação, a gasolina de 280 cv Stelvio atinge 0 a 100 km/h em 5,7 segundos.

As emissões de CO2 são de um máximo de 26g/km.

O alcance total é de 80 km no modo totalmente eléctrico e 600 km no modo térmico + eléctrico.

Finalmente, em relação a o aparecimento do Tonale, as saídas de escape são visíveis e o logótipo biscione modificado aparece.

Fonte: Alfa Romeo

Alfa Romeo Tonale Q4 Edição Especial

Para marcar o lançamento do modelo híbrido, estará disponível para encomenda uma versão 'Special Edition' que será o mais alto nível de equipamento com rodas de liga leve 20″, pinças de brembo vermelhas, etc.

Pode ser encomendado nas próximas horas, pois ainda não sabemos o preço...

Fonte: Alfa Romeo
Fonte: Alfa Romeo
Fonte: Alfa Romeo
Fonte: Alfa Romeo

24 Comentários

Deixe uma resposta
  1. Se ao menos pudessem trazer o Giulia QV como um híbrido, com o actual V6, para que não tenhamos de pagar ao malus assassino...

    • Tenho a impressão de que se tem mais hipóteses de ganhar o Euromilhão do que de o fazer acontecer um dia, como no caso do cilindro de 4 cilindros, enquanto no Maserati está lá (incompreensível).
      Faça 2 obras-primas e deixe-as a apodrecer!
      Como o 4C, o 124, o Ghibli... é como dar um tiro no próprio pé!

  2. Tive finalmente um nos espelhos esta manhã, bof. Com excepção das luzes que me lembram o aspecto do meu Brera, para o rte: uma carrinha vermelha.
    Posteriormente, se esta for a paixão do carro em 2022

        • Polegares na rua? (Se o disser, não o perturbaremos) mas o Tonale é muito mais agradável do que o Brera em termos de design, apesar de ser um SUV porque é mais equilibrado.
          O Brera poderia ter sido óptimo como um coupé de través talvez (mas com o Busso e não com o aborrecido Holden V6 ou com o 1,75 Turbo na melhor das hipóteses).

          • Fale de aborrecimento ao questionar uma declaração, se isso o faz feliz, então faça-se feliz!
            Uma carrinha em forma de quadrado, mais agradável do que um coupé, não, claramente não. Falar de equilíbrio para uma coisa alta e quadrada, sim, de facto, um quadrado tem uma forma não muito complexa e é muito equilibrado.
            O desenho dos suvs é terrível. Para além da Ferrari, até à data, nenhum fabricante apresentou um desenho que faça com que estas carrinhas tenham bom aspecto.
            E, claro, este V6, que só beneficia de um motor australiano de baixo motor, deixa-o frio, o cliché habitual, uma formatação perfeita.

          • A formatação, bem, vejamos. Eu diria que tentou muitas vezes e todos os Alfisti são unânimes, razão pela qual o Brera foi um fracasso tão retumbante.
            Sim, quando se olha para o design deste SUV, se não fosse alto nas pernas seria mais sensual do que o design falhado do Brera e não há apenas o motor baixo que é de origem Holden porque há muito poucas modificações feitas pela Alfa que não poderiam fazer nada para o tornar entusiasmado (ao começar numa base destas, todos teriam partido os dentes), o mesmo problema com o Toyota V6 na Lotus que funciona da mesma maneira e que é pesado como não permitido! A única coisa em que Alfa tentou trabalhar foi no som, e bem, foi um fracasso. O mesmo se aplica ao 2.2, enquanto que o 1.75 é realmente muito agradável e não tem nada a invejar aos outros dois em termos de desempenho.
            Se este cupé tivesse sido tão extraordinário como diz, muitos mais teriam sido vendidos, mas todos nós conhecemos o resultado.

          • E o Purosangue da Ferrari é um fracasso total porque colocar um pilar entre as portas enquanto as traseiras são antagónicas é realmente horrível, especialmente quando se vê como a Mazda conseguiu passar sem ele no RX8 tendo uma rigidez exemplar e um peso hiper-contido (é verdade que o motor de pistão rotativo é realmente muito leve) para um verdadeiro 4-lugares (tenho 1m83 e estou confortável na parte de trás). Não o trocaria por nada no mundo por um Purosangue (totalmente falhado) e prefiro de longe um Stelvio ou um Grecale.
            Vi um Brera elevado preparado em Itália e bem, muda o jogo e encaixa como uma luva e quase não se tem aquela impressão de 2 peças de carro coladas (com uma traseira Mito GTA).

          • O Brera também é belo, na minha opinião. Só a posição dos pedais é horrível... O conceito não se destinava a acabar num modelo comercializado, mas o desenho causou um alvoroço na altura (e com razão, mais uma vez) e levou à passagem para a produção.

          • O conceito Brera era bem e verdadeiramente destinado à produção (excepto o sistema de portas) e foi empurrado até ao último pormenor como tal na altura (Maserati 4200 chassis e o seu V8) mas foi recusado pela Fiat que tinha o 8C na obra (até Giugiaro tinha proposto fazer o interior que foi recusado pela Fiat que preferiu usar os 159's para o Brera).
            Foi o conceito que desencadeou a paixão (da qual fiz parte) e uma vez que o modelo de produção foi lançado foi um retumbante fracasso (com razão) e as vendas foram um enorme fracasso e ainda mais para o descapotável. O interior estava apertado para um 2+2 com bancos traseiros inexistentes, os motores eram indignos de um Alfa e o peso de um pachiderm. Em suma, o fracasso foi justificado (e com razão) em todos os aspectos.

  3. Olhei para um deles. Muito plástico pouco inspirador, especialmente a consola central, plástico cinzento muito chip, o mesmo para o painel de instrumentos. Os peitoris das portas não estão cobertos nas portas da frente, pode-se ver a sucata :-(.
    Onde colocar a chave? Porque não usar o truque do Stelvio?
    Onde está o espírito Alfa Romeo? Para além da parte da frente, o último Mégane da Renault é melhor.
    O espírito de Stellantis passou através da alma de Alfa.

    É uma pena que tenhamos esperado tanto tempo por isto.

    • Tendo visto o Megane, não só não é grande, como diria mesmo que é um lugar assustadoramente comum. Para não mencionar a fiabilidade, que se for como os seus NPVs... então é um desastre garantido.

  4. Mas por que razão nenhum híbrido para baixar este malo no stelvio..280 cv como o tonale seria agradável enquanto a versão de gasolina 280 é quase inutilizável (+12000 de malo!)

      • Penso que é porque o custo do Stelvio, que já é elevado, será ainda mais elevado, para um ganho de co2 que também não é extraordinário (redução tão limitada do malus) e para um modelo que será substituído em 2025. Tecnicamente eles podem fazê-lo, racionalmente a nova gerência Alfa Romeo não o fará. Têm de o fazer em modelos futuros (b-suv, stelvio do futuro e giulia do futuro).

        • Alexandre tinha razão, Alfa acaba de anunciar que não farão um híbrido para o Giulia e o Stelvio por razões de custo, mas sobretudo porque vão parar os modelos em 2025 (1 ano antes da data oficialmente anunciada).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *