Test drive Alfa Romeo Junior Veloce 280 cv: a minha opinião Alfist vai surpreendê-lo

Nota: se pensa que os carros eléctricos são aspiradores, não leia este ensaio.

Um novo Alfa Romeo é sempre um acontecimento, porque até agora, não era frequente! Um 4C em 2013, um Giulia em 2015, um Stelvio em 2016 e um Tonale em 2022. O Junior, em 2024, é o primeiro modelo 100 % a sair do grupo Stellantis. E eu queria mesmo experimentar para os leitores deste sítio a versão mais potente deste novo modelo, o Junior Veloce 280 cv elétrico.

Publicidade

Não vou entrar em pormenores sobre os design interior ou exterior, pode ler o meu artigo sobre a apresentação do automóvel em Milãoquando se chamava Milano, para saber a minha opinião. No entanto, em vermelho, em preto, em acabamento Veloce, o carro tem um aspeto muito desportivo. É talvez uma pena que não existam mais diferenças visuais no interior e no exterior entre o Veloce 156 cv e o 280 cv. Isto já é algo que critiquei no Tonale Veloce MHEV 160 cv e no Veloce PHEV 280 cv, apesar de a diferença de preço ser muito significativa. Para o meu gosto pessoal, com uma Leggenda scudetto, e sem as luzes Matrix LED, a frente do Junior é mais interessante.

Scudetto Leggenda à esquerda, Scudetto Progresso com luzes Matrix LED à direita

Para efetuar este teste, a Alfa Romeo convidou-me para a o circuito de Balocco. Este é um local emblemático para a marca, onde se podem ver carros de desenvolvimento como o 4C e o 124 Spider nos parques de estacionamento, bem como Abarths, Jeeps e Maseratis. Um outro ponto interessante foi-me apresentado pelo diretor de produto da Junior, O circuito de Balocco é também muito utilizado pela Maserati e pela Ferrari. A marca do Cavalo Empinado prefere a pista de Balocco para desenvolver os seus modelos, enquanto a pista de Fiorano é mais utilizada para comunicação. Durante o dia de testes, cruzei-me com o Maserati Folgore, o Ferrari 12 Cilindri, o Ferrari SF90 e o Ferrari 250, todos camuflados e a testar na pista. Os meus olhos estavam cheios de estrelas.

Publicidade

O circuito de Balocco é também o sítio da Autodelta, um lendário afinador de automóveis que criou alguns belos Alfa Romeos de corrida. Não verei mais do que um poster numa parede, mas acrescenta uma atmosfera autêntica ao dia.

Antes de começar os testes, gostaria de agradecer as pessoas da Alfa Romeo que se mostraram disponíveis e acessíveis para conversar e responder às minhas perguntas, o chefe de produto Alfa Romeo, o chefe de produto Alfa Romeo Junior (com quem já tinha tido a oportunidade de conversar em Milão em abril passado) e o diretor de desempenho. Todos italianos apaixonados que se orgulham de trabalhar para a Alfa Romeo.

Publicidade

Seguiu-se uma conferência de imprensa em que cada um dos participantes apresentou o Junior Veloce 280, um modelo ainda não homologadoque se encontra atualmente nas fases finais de desenvolvimento e que estará disponível no mercado no final de 2024. O Diretor de Produto da Alfa Romeo, Daniel Guzzafame, centrou a sua apresentação no público-alvo do automóvel, uma nova geração de Alfisti, incluindo aqueles que não são "entusiastas de automóveis". O responsável pelas performances, Domenico Bagnasco (que trabalhou no 4C, 8C e Giulia GTA), explicou o que faz a diferença: o peso, cerca de 200 kg inferior ao da concorrência, a suspensão rebaixada em 25 mm, a barra estabilizadora, a direção mais direta do segmento, a aceleração, a travagem de alta performance com discos de 380 mm que prometem parar o Junior a 100 km/h em 35 metros.

Alfa Romeo Junior - frente
Alfa Romeo Junior - traseira

Um dos pontos interessantes que poderei testar mais tarde é que o modo de travagem do carro (que permite que o carro se recarregue apenas com a travagem) tem uma sensibilidade diferente no modo dinâmico, para dar a sensação de travagem do motor. Como resultado, neste modo, a energia só é regenerada durante a travagem.

Publicidade

Outro ponto muito interessante é a introdução de um Diferencial de deslizamento limitado do tipo Torsenlocalizado no eixo dianteiro, que modula o binário nas rodas motrizes em função das condições de condução. Um sistema já visto num certo Alfa Romeo 147 Q2 em 2006. Trata-se de um exclusivo Alfa Romeo do Grupo Stellantis, denominado TorSen D.

Alfa Romeo Junior - Torsen
Alfa Romeo Junior - Torsen - Foto italpassion

No que diz respeito ao motor, embora estivesse planeado para ter 240 cv, o Junior acabou por aumentar a sua potência para 280 cv! Pelo que sei, continua a ser o motor eMotors M4, mas aqui na versão M4+ (designação não oficial), que emite 280 cv de potência para um binário de 345 Nme sobe para 15.200 rpm. Seria um motor desenvolvido para a Alfa Romeo, conjuntamente pela Alfa Romeo Engineering e pela eMotors (que acabará por ficar com a Lancia e provavelmente com a Abarth). Diz-se também que a bateria de 54 kWh é de última geração e compacta, embora eu não saiba muito mais do que isso.

Publicidade
Alfa Romeo eMotors M4+ - Foto Italpassion
Alfa Romeo eMotors M4+ - Foto Italpassion

Depois de toda aquela provocação, Agora é altura de fazer o teste. Todos são convidados a tomar posse do seu Júnior atribuído. No que me diz respeito, é um Junior branco. Não é a minha cor favorita, é demasiado parecido com um stormtrooper, mas quem se importa, estou aqui para testar o carro na pista, não para tirar fotografias bonitas (além disso, sou um péssimo fotógrafo). Ao subir a bordo, ajusto o famoso banco de balde Sabelt, que é muito confortável e confortável.

Foto italpassion
Foto italpassion
Foto italpassion

O entusiasmo aumenta. Um pequeno grupo de carros seguirá um Giulia Veloce de 280 cv ao longo dos 20 km do circuito de Balocco!

Publicidade

Primeiras impressões: o banco Sabelt, o volante em alcântara, o modo dinâmico que percorre todo o painel de instrumentos numa cor vermelha dominante, estamos com vontade. As patilhas de alumínio atrás do volante teriam sido um toque agradável, por exemplo, para ajustar a potência de regeneração. O Junior não tem um som artificial difundido. Ao contrário de um Abarth 500e, de um Hyundai Ioniq 5 ou mesmo de um BMW i4 (com som orquestrado por Hans Zimmer), o som artificial do Junior é sóbrio e rapidamente esquecido. Uma escolha da marca. A 40 km/h, a direção é firme, parece precisaAtrás do grupo, tento aquecer os pneus como antes do início de uma corrida de F1, os amortecedores são muito firmes e quando largo o acelerador, parece uma travagem de motor "natural". Os primeiros segundos são bons e consigo sentir que há potência de reserva sob o pedal do acelerador.

Foto italpassion

O Giulia Veloce de 280 cv acelerou a fundo e o nosso pequeno grupo de O Junior Veloce de 280 cv acelera com a mesma rapidez como se tivéssemos de ganhar posições na primeira curva. Tenho de admitir que já é muito emocionante, os 0 a 100 km/h são anunciados em 5,8 segundos, o carro pesa 1.590 kg, o que é muito menos do que o Tonale, menos do que um Stelvio e pouco mais do que um Giulia, e sente-se! Na minha opinião, muitos automóveis eléctricos continuam a ser demasiado pesados, o que tem um impacto negativo na eficiência e na dinâmica de condução.

Publicidade

Pausa, gostaria de referir dois pontos importantes para este teste. Em primeiro lugar, tive um Giulia durante 3 anos (carro extraordinário, comprem um), pude experimentar o Giulia 280 cv e o Stelvio 280 cv durante um curto período de tempo, pude conduzir um Giulia Quadrifoglio num trackday (caixa manual para entusiastas), tenho uma boa memória do que estes carros podem oferecer. Em segundo lugar, tive um BMW i4 de 286 cv durante 1 ano como carro do dia a dia (se vir os meus vídeos no YouTube, já sabe disso) e, apesar de ser uma berlina e não um SUV compacto, tenho um bom ponto de comparação porque as potências são semelhantes.

Voltarei ao teste. Todos nós conduzimos muito, muito mesmo, no circuito de Balocco. O circuito de 20 km é variado, uma mistura de estradas sinuosas com barreiras de proteção de ambos os lados e uma pista com vibradores. Felizmente para mim, como era o último do grupo, pude deixá-lo escapar algumas vezes e passar à etapa seguinte. quase nos limites do carro.

Publicidade
Foto italpassion
Foto italpassion
Foto italpassion
Foto italpassion

Tive muita apreensão e dúvidas antes deste julgamento. E no entanto.., Gostei muito deste Júnior! Gostei de travar a fundo sem ter medo do peso e, portanto, da subviragem, de entrar nas curvas e medir o acelerador até ao limite da tração das rodas (graças ao Torsen), de fazer os pneus gritarem (porque não são meus). Boa sensação de direção e garante que não se é apanhado em falso. Nunca tinha conduzido um carro de tração dianteira num circuito, apenas um de tração traseira, mas achei as sensações proporcionadas pelo carro muito boas. Penso que o peso do carro tem muito a ver com isso, O Junior pesa 1.590 kg, em comparação com os 1.835 kg do Tonale e os 2.065 kg do i4... Continua a ser um eCMP, mas não está nem perto do desempenho de um Fiat 600 ou de um Peugeot 2008. Um Junior elétrico de 280 cv com tração traseira teria sido muito fixe.

Foto italpassion

Sim, o ruído do motor desapareceu.E sim, não tem caixa de velocidades, ingredientes que todos conhecemos. E, claro, este Junior não está à altura do Giulia e do Stelvio, que continuarão a ser referências nos seus respectivos segmentos durante muito tempo.

Publicidade

Posso surpreender-vos. Se tivesse de escolher entre o Alfa Romeo Tonale PHEV 280 e o Alfa Romeo Junior BEV 280 cv, Eu escolheria o segundo sem hesitar: melhor design interior, melhor manuseamento, mais diversão ao volante. Isto só mostra que um bom carro elétrico pode ser melhor do que alguns carros de combustão interna. Voltemos um pouco atrás (sem ir tão longe como o V6 Busso), um pouco antes dos excelentes Giulia e Stelvio. Se tivesse de o comparar com o Giulietta 240 cv, que também era um carro de tração dianteira, em termos de dinâmica de condução, acredito sinceramente que estão em pé de igualdade. No que diz respeito ao interior, o Junior está um pouco acima. O Giulietta guardará para si o ruído do 1750 tbi e o comportamento da caixa de velocidades TCT. E isso, sem tentar imitar artificialmente, é difícil de compensar com um motor elétrico.

Poderá este Junior tentar-me a voltar para a Alfa Romeo? Para a experiência de condução, sim, pelo preço Foi-me proposto um preço de cerca de 48 000 euros para o Junior Veloce de 280 cv bem equipado (o iX1, no segmento superior, tem atualmente um preço de 47 000 euros com um BEV de 204 cv), portanto, sim. O design é muito pessoal, Embora a cor vermelha do Brera seja muito bonita, é, para o meu gosto, em preto que o Junior é mais agradável. Os elementos pretos de grande dimensão, como o novo Scudetto ou a Coda Tronca, estão mais bem integrados. No final, a imagem é mais mista, Enquanto que um Giulia ou um Stelvio são bonitos, seja qual for a cor, vermelho, branco, preto, azul, verde... Se for preto, 280 cv, com a Leggenda scudetto, pinças amarelas, sem as luzes Matrix LED, eu consideraria a compra

Publicidade

Teste de vídeo

Algumas fotos

Publicidade
Foto italpassion
Foto italpassion
Foto italpassion

16 Comentários

Deixe uma resposta
  1. Obrigado pelo relatório de teste e pelas vossas impressões positivas. Vou ver o vídeo.
    Nunca pensei em comprar um SUV ou um carro elétrico (pelo menos não a curto prazo), mas o Alfa Romeo Junior Veloce pode fazer-me mudar de ideias. Em primeiro lugar, o seu design é bom, especialmente em preto, e, em segundo lugar, se conduzir como o Giulietta Veloce 1750 tbi, deve ser muito bom.

    • Esta era, de facto, a minha grande apreensão depois de ter experimentado o Tonale. De certa forma, estou aliviado e agora tenho grandes expectativas para o futuro Stelvio e giulia num piso largo.

  2. Excelente feedback, obrigado. Se ao menos pudessem oferecer um híbrido num futuro próximo... Quando vejo o Abarth 600, o Alfa Junior e outros... Há potencial. Estou numa encruzilhada com o meu Abarth 595C (está a ficar pequeno e estou a começar a precisar de conforto xD).
    Por outro lado, temos o novo Prelude, que anunciaram que será híbrido, tal como o futuro MR2... Ou o GR86 e o MX5, atualmente. Um alinhamento e peras.

  3. Obrigado por esta bela reportagem, as fotos estão óptimas! Concordo com a versão preta, é claramente a única que traz um pouco de harmonia ao design, mesmo que um logótipo cromado "enchesse" um pouco melhor a bagageira... A carroçaria ligeiramente rebaixada também fica bem e evita que as cavas das rodas fiquem um pouco vazias (acho isso muito feio). Sem os LED Matrix, os faróis dianteiros são um pouco parecidos com os do Stelvio. A bateria ainda não tem capacidade para o tornar um modelo bastante versátil, talvez disponível com o restyling. Uma versão do interior em alcântara bege também seria de muito bom gosto!

  4. Vi rapidamente uma crítica noutro site e a opinião geral era muito menos positiva, sem ser crítica. Basicamente, "não é mau, mas...".
    Júnior complicado! Atrevo-me a dizer, um Peugeot muito bonito... "latinizado"! 😉
    Então, porque não, mas não nesta versão. A ser descoberto nos concessionários em setembro! 👌
    Obrigado por este relatório.

    • Quando falei com alguns dos jornalistas presentes, as suas opiniões foram unanimemente positivas. Depois, há que ter em conta que alguns jornalistas são convidados a experimentar vários carros por semana (incluindo Porsche e Lamborghini), não gostam de SUVs nem de carros eléctricos, e um deles até me disse que achava uma pena não ser um Busso V6... É bom haver diversidade de opiniões. Pela minha parte, sigo as minhas experiências e também os meus gostos pessoais. Por vezes, lamento ler críticas que não têm opiniões verdadeiras, apenas fotos de imprensa, e isso é uma pena. Disseram-me que isso é por vezes imposto pela direção para evitar ofender certos fabricantes.

      • Em suma, o Alfa Romeo Junior Veloce é uma agradável surpresa, tanto em termos de design como de dinâmica de condução. Vi alguns vídeos e, no geral, são muito entusiásticos. De tal forma que, no futuro, talvez me deixe convencer.
        Resta saber qual será a verdadeira autonomia quando se está em movimento, e não apenas a um ritmo calmo ou na cidade.

      • Concordo plenamente com essa resposta! Se este Júnior estiver no alvo, será provavelmente corrigido na sequência do feedback dos clientes (!?)

  5. Muito boa análise, Alexandre. Acho que temos de acompanhar os tempos e não estar sempre a olhar para o espelho retrovisor. Pela minha parte, acabei de trocar o meu Giulia Estrema 2.2 L diesel Q4 210 cv por um Tonale 280 cv. Dois veículos completamente diferentes. O aspeto do Giulia (era vermelho) é insubstituível, mas o Tonale tem um certo charme, funciona muito bem em D e está bastante bem equipado. Veremos se um dia me apaixono pelo Junior? Vá lá, dos meus últimos três Alfa, o meu coração vai para o meu Stelvio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *