134 Fiat Topolinos apreendidos pela alfândega: a batalha entre Stellantis e Itália continua

Mais uma história entre o Governo italiano e o grupo Stellantis. Após oAlfa Romeo Milano, rebaptizado Junior considerado enganador pelo Governo italiano, é outro modelo que está agora a atrair a ira das autoridades. Em Itália, foram apreendidos 134 Fiat Topolinos. O motivo? Estavam a arvorar uma bandeira italiana, apesar de terem sido fabricados em Marrocos.. Esta informação foi veiculada pelo jornal italiano Il Tirreno :

"Não são "made in Italy. Os automóveis eléctricos, produzidos em Marrocos, ostentavam a bandeira italiana. Segundo os serviços financeiros e aduaneiros, trata-se de um sinal distintivo que induz o consumidor em erro. [...] É por isso que os funcionários da Agência das Finanças e da Agência do Estado acusaram a Stellantis de indicar falsamente a origem do produto".

Publicidade
Fiat Topolino não apreendido pela alfândega. Foto IL TIRRENO

As autoridades invocaram a lei financeira de 2004 e o artigo 517.º do Código Penal italiano sobre a "responsabilidade penal" da empresa.venda de produtos industriais com sinais enganosos. De acordo com os procuradores, as bandeiras tricolores nas portas dos carros davam a impressão de estarem a ser hasteadas. a impressão errada de que os veículos foram fabricados em ItáliaSão provenientes das fábricas marroquinas de Stellantis.

Os veículos, que se destinavam a ser comercializados em Itália, estão atualmente detidos nos terminais Leonardo Da Vinci. Os veículos apreendidos incluem 119 Fiat Topolino e 15 Fiat Topolino Dolcevita, todos destinados a jovens condutores sem carta de condução B.

Publicidade

Confrontado com esta situação, Stellantis respondeu rapidamente através de uma declaração No porto de Livorno, a Agência das Alfândegas e a Agência das Finanças apreenderam automóveis Topolino importados de Marrocos, país onde os veículos foram fabricados, com o fundamento de que um pequeno autocolante com as cores da bandeira italiana afixado nas portas poderia constituir uma falsa indicação da origem das mercadorias. O autocolante em questão tinha como único objetivo indicar a origem comercial do produto. De facto, o design do novo Topolino, carro histórico da Fiat desde 1936, foi concebido e desenvolvido em Turim por uma equipa de profissionais do Centro Stile Fiat da Stellantis Europe S.p.A., uma empresa italiana".

O grupo Stellantis defende-se, afirmando que sempre foi transparente quanto à origem marroquina da produção do Fiat Topolino. Para resolver o problema, oempresa anunciou que vai acabar com os autocolantes de três coressob reserva de autorização das autoridades.

Publicidade

Este caso poderá também afetar o novo Fiat 600fabricado na Polónia, que ostenta uma bandeira italiana no para-choques traseiro. Situações como esta levantam questões sobre a perceção e a proteção do "made in Italy", bem como sobre as estratégias de comunicação dos grupos automóveis face às regulamentações nacionais. O braço de ferro entre Stellantis e o Governo italiano parece estar longe de terminar...

11 Comentários

Deixe uma resposta
  1. Como é que se pode provar que a alfândega está errada quando basta uma bandeira para afirmar que se trata de um produto italiano?
    É como todos os produtos vendidos em França quando o código de barras não começa por 800...
    107 mil milhões de euros perdidos pela economia italiana com este esquema.
    Pior, a desculpa de Tichy para a Itália, que é um aliado histórico, é muito mais valente do que isto.Stellantis....

  2. É como no caso do vestuário, deveria haver uma etiqueta ou um autocolante que indicasse o local de fabrico. Assim, os consumidores teriam essa informação.
    Há roupa de marca italiana fabricada fora de Itália e ninguém se queixa. Também se pode comprar roupa feita em Itália, mas é mais cara.

    • Há vários anos, mesmo antes do Stellantis, na altura da primavera da Dacia, creio eu, também sugeri a ideia de expor a origem do automóvel nos salões de exposição para informar e sensibilizar as pessoas.

  3. Ao mesmo tempo, esta lei italiana não é nada de novo, a Stellantis faz carros italianos com uma remodelação PSA, o Ypsilon foi desenvolvido em Sochaux ..... não sonhem, não haverá 2 gabinetes de design, a FiatPowerTrain tem menos trabalho a fazer, uma vez que só juram pelo puretoc........ os meus parabéns ao governo italiano.

  4. Passar bexigas por lanternas é simplesmente o plano de negócios do ex-PSA.

    Estão a falar de um "porta-estandarte francês" para um hatchback baseado num compacto fabricado na China. Quando se sabe isso, sabe-se o que quero dizer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *